Demitidos acampam em protesto por pagamento de rescisão em Caçapava – Caçapavense
Caçapava, terça-feira, 22 de agosto de 2017 | Temperatura: 14.0 °C

Demitidos acampam em protesto por pagamento de rescisão em Caçapava

Por em 11/02/2017

Os 78 trabalhadores da MWL de Caçapava foram demitidos em julho. Sindicato negociou pagamentos na justiça, mas acordo não foi pago. fonte: G1


Cerca de 35 ex-funcionários da metalúrgica MWL, de Caçapava, estão acampando na frente da empresa desde segunda-feira (6). Eles alegam que a metalurgia não pagou um acordo de rescisão a 78 trabalhadores demitidos em julho de 2016.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos, a Justiça decidiu que a empresa pagou as obrigações em dezembro, mas teria recusado. Está prevista uma reunião de negociação para a tarde de sexta-feira (10).

Os 78 funcionários foram demitidos em julho. Segundo o sindicato, o despedimento foi feito sem negociação de direitos, o que o tornou irregular. A entidade apelou ao tribunal para o acordo dos direitos dos empregados, que determinou o pagamento de quatro a sete salários, além de manutenção do comprovante de alimentos e médica por dez meses a partir da decisão em dezembro. Apesar disso, a empresa teria violado o acordo, o que motivou o protesto. Manuel Alves Santos trabalhou durante 16 anos como mecânico na unidade e foi demitido em julho. “Eu trabalhei todos esses anos e fui demitido sem um acordo sindical que garantiria o que é meu direito.Temos que esperar por uma manifestação de Justiça e agora a empresa não quer cumprir? Estamos aqui porque queremos ser vistos por Eles “, disse ele. O sindicato disse que tentou negociar com a empresa e se reuniu com eles em tribunal na quarta-feira (8), mas não conseguiu negociar. A entidade foi convocada para uma nova reunião na sexta-feira (10) com representantes da empresa. Por nota, a MWL negou que não tivesse cumprido a ordem judicial, mas que se encontrava dentro de um prazo de recurso contra a decisão. “A questão promovida pela União está sendo discutida na esfera judicial, com as partes recorrendo e a empresa sempre seguirá as determinações legais. Gostaríamos também de informar que a MWL Brasil tem procurado um acordo várias vezes, não Aceita pela União. A empresa também reforça que todo o pagamento de indenização foi pago no prazo esperado “, diz ele.